27 de setembro de 2013

Outra dica preciosa: Organização!

Nunca mais perca um evento! Salve notas, recibos, comprovantes e muito mais!


Concurseiro ou não, se torna muito difícil (eu diria impossível) obter sucesso! Encontrei estes dias uma ferramenta fantástica capaz nos livrar dos pendrives, que normalmente se perdem ou queimam. Eu mesmo já perdi 3.000 arquivos porque meu pendrive queimou! :( Se não conhece o Dropbox, aproveite que é grátis! Clique aqui para conhecer.


Tão bom quanto o Dropbox é o Evernote! Só que ele é usado somente para nossa parte organizacional. Ele faz todo o trabalho necessário para pormos fim às agendas. Notas, Listas, Fotos, Links, Gravações de voz... enfim tudo fica salvo no Evernote. E o melhor ele nos avisa através de alarmes (ou email) quando está chegando a hora do evento! Fantástico!

Corre lá e baixe agora mesmo por este link para ganhar benefícios! Roda no windows, IOS e Android!


29 de agosto de 2013

Objetivo completo!

Olá pessoal! Escrevo essa nota com um pouco de pesar, mas ao mesmo tempo uma leveza na alma. De um tempo pra cá tenho gradativamente terminado cursos com turmas de concursos e não assumindo mais. Isso se deve ao fato de eu estar terminando meu ciclo de trabalho nesse ramo. Considero que tenha contribuído ao máximo pra essa galera que merece demais nosso apoio. Junto com essa decisão, estou também terminando minha fase de blogueiro. Vou expor alguns motivos...

1 - Preciso de mais tempo com minha família. Fui abençoado com uma esposa e filha que amo demais e como meu objetivo maior de vida é ser feliz, elas tem que estar junto desse plano!

2 - Hoje estou trabalhando em um ramo que tem me dado um bom retorno financeiro, com o mínimo de estresse e total flexibilidade de horários (sonho né?). Somado ao fato de estar trabalhando há 5 anos sem reajuste de valor da hora-aula (amor não paga as contas gente!)

3 - Realizei meu sonho profissional. Costumo dizer que tenho o melhor emprego do mundo: Bombeiro. Salvar vidas é o que há de mais gratificante nesse mundo! 

4 - Último fator (e que mais pesou): o ser humano. Tenho me aborrecido com duas coisas que me decepcionam demais, soberba do aluno e jeitinho brasileiro. Sempre me posicionei, apesar da pós-graduação, não como professor, mas sim como colaborador. Não acho que hierarquia facilite o ensino. Por conta disso sempre fui amigo do aluno e me dispus a ajudar 24hs por dia, inclusive por redes sociais. Mas me magoava demais me deparar com alunos que se acham superiores a mim e aos seus colegas e paravam a aula para expor seu conhecimento de forma vaidosa tentando colocar as pessoas em situação delicada. Fico triste. Agora veja o que foi a "cereja do bolo para eu desistir de continuar"... Todo dia muitos leitores me pediam material de estudo gratuito e eu perdia quase o dia todo tratando desse assunto. Pra facilitar criei um banco de dados com todo o material e disponibilizei o acesso pelo pagamento simbólico de R$ 2 mensais (isso mesmo DOIS REAIS). Tudo corria bem até que, pasmem, comecei a receber reclamações quase que diárias, de leitores exigindo o material ao seu bel prazer. Não bastasse isso, foram vários espertinhos que pagaram a primeira mensalidade de R$ 2, baixavam os 300 arquivos da pasta e 1 min depois cancelavam a assinatura! Foi a gota dágua. Nesse dia, perdi as esperanças.

Como reflexo disso tudo, estou passando pra frente todas as minhas redes sociais. Blog, Facebook e Twitter. Interessados podem deixar mensagem aqui nos comentários ou me enviar e-mail (sardellastutz@gmail.com). Estarei liberando gratuitamente o acesso a pasta de downloads, desde que o leitor contribua com alguma doação de material.

Desejo de coração, que, assim como eu, todos vocês alcancem seus sonhos! Um forte abraço! Bons estudos!

Luiz Henrique Sardella
fb.com/sardellastutz
Twitter @RickSardella

22 de julho de 2013

Urgente! Publicado o Edital do Concurso da PMERJ 2013 - Soldado PM




Edital publicado! Agora é a reta final!!!



Para acessar e baixar as páginas corretas do edital 2013, clique aqui! Mas se preferir, visite o o Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro clicando aqui. Boa sorte a todos!


Receba as notícias de concursos diretamente em seu e-mail, sem custos e sem complicação. Assine já!

-->

20 de julho de 2013

Mensagem de Danillo Ferreira - Tenente da Polícia Militar da Bahia no 7º Encontro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública



Além de coordenar o Grupo de Trabalho sobre desmilitarização das polícias, que contou com a participação do Maj PMPA Francisco Celso Machado, do Sd BMPA Sandro Leal da Silva, do professor da UEPI, Jose Cruz Miranda, do representante da Associação dos Delegados do Estado de São Paulo, André Ricardo Hauy, do ex-secretário nacional de Segurança Pública Coronel José Vicente (PMESP) e do ex-secretário de segurança de Minas Gerais Luiz Flávio Sapori, participei da mesa “Criminalidade Urbana Violenta e Facções Criminais”, com Camila Nunes Dias (UFABC), Carolina Grillo (UFRJ) e Luiz Cláudio Lourenço (UFBA).

Na ocasião, pude transmitir as seguintes reflexões, que, de modo geral, (não) respondem à pergunta: “o que condiciona o modo de agir dos policiais frente à criminalidade violenta no Brasil?”. Iniciei a “resposta” fazendo outra pergunta:
Qual a relação entre as intenções político-institucionais dos governos (ou dos governantes) e a atuação das tropas policiais?

Os governos, que comandam as polícias, têm intenções claras quanto ao modo de atuação das corporações policiais. Mesmo o silêncio (é preciso estar atento a ele) e a omissão frente a desmandos são orientações políticas adotadas. Sobretudo em tempos de crise institucional, onde o capital político do governante está em jogo, não é absurda a hipótese dos governos admitirem avanços autoritários das suas polícias, seja através de incentivos diretos ou indiretos.

Esta permissividade geralmente elege demagogicamente um inimigo do Estado (o traficante, o menor infrator, o baderneiro, o criminoso etc), deslocando a responsabilidade por uma série de ausências e desmandos estatais para um ente que geralmente incorpora-se em uma parcela da população de classe social, cultura, sexo e características físicas bem definidas.
Os policiais “caem no conto do vigário”, são manipulados pelas intenções governamentais e portanto não têm responsabilidade pelo que fazem?

Ao ingressar numa instituição policial, o indivíduo se depara com a real possibilidade de utilizar-se da força contra outrem – inclusive a força letal. Este “desbloqueio” tem implicações para este sujeito, pois a esta possibilidade fundamental, complexa, da potencialidade do uso da força agrega-se toda a experiência particular do indivíduo e mais as condicionantes institucionais (da corporação policial) que serão apreendidas em sua vivência interna corporis.

No âmbito da instituição policial, geralmente, no Brasil, alguns elementos influenciam o exercício do mandato policial, e seu maior ou menor alinhamento com as diretrizes governamentais:

- A insegurança jurídica dos policiais: através de mecanismos formais e informais os policiais são submetidos a punições e retaliações por desalinhamento do que sua chefia (em última instância, o governo) entender como adequado. Diz o Código Penal Militar:


“Art. 166. Publicar o militar ou assemelhado, sem licença, ato ou documento oficial, ou criticar publicamente ato de seu superior ou assunto atinente à disciplina militar, ou a qualquer resolução do Governo:

Pena - detenção, de dois meses a um ano, se o fato não constitui crime mais grave.”

Além disso, são notáveis, embora silenciosos, os casos de sutis retaliações, como transferências injustificadas, atraso na concessão de promoções etc.

- A formação do “guerreiro”: Ainda persistem nas escolas policiais de formação, uma confusão sobre o modo de resolução de problemas durante o exercício do policiamento. Se foram abertos espaços para disciplinas como “policiamento comunitário” e “direitos humanos”, estas iniciativas convivem (não sem prejuízo) com a eleição de um “inimigo” que justifique a lógica belicosa de um ambiente de guerra, com toda uma cultura estabelecida – desde a estética do homem de preto ao tipo de armamento a ser utilizado.

- A defasagem técnico-logística: Policiais precisam estar preparados para atirar, imobilizar, conter. Policiais precisam estar preparados para não atirar, não imobilizar e não conter. Para isso precisam de condicionamento técnico, exercícios repetitivos o suficiente para que garantam precisão cirúrgica na utilização do equipamento: que não pode faltar para o treinamento e aplicação da doutrina de uso progressivo da força.

- As incongruências burocráticas: Há elementos do ponto de vista da gestão do serviço policial que impedem a consecução dos objetivos institucionais (legais) teoricamente propostos para as polícias. A fratura do ciclo de polícia e certas carências tecnológicas, por exemplo, fazem com que as ações policiais tendam ao amadorismo e à ineficiência.

- A confusão na correção institucional: É preciso que as organizações policiais estejam livres de corrupções e semicorrupções. Iniciando dos escalões superiores, é preciso exigir lisura e correção. Permitir a prática de desvios é potencializar novas injustiças. É importante acentuar a necessidade de mecanismos externos de controle efetivos, pois geralmente as corregedorias internas pouco podem proporcionar de autolimpeza.

O policial é integrante do corpo social, e como tal, é influenciado pelos elementos que atingem todos os indivíduos, inclusive no que diz respeito às justificações da violência. Neste sentido, há a diferença clara entre o policial e os demais cidadãos: ele precisa modular estas influências culturais pois age em nome do Estado utilizando a força.

Um dos elementos notáveis em relação às influências da sociedade mais ampla no fazer policial é quanto aos desdobramentos que o “machismo nosso de cada dia” pode exercer sobre o fazer policial. Uma provocação: em que medida temos em nosso cotidiano um embate entre “machos policiais” e “machos envolvidos com organizações criminosas”?

Outro ponto: as mídias são influenciadoras significativas do modo de agir dos policiais. O privilégio que os grandes veículos costumam dar à ação reativa das polícias, fortalecendo a estética e a cultura do “policial guerreiro” favorecem e fortalecem as condições deste status.


A tempo: o 7º Encontro foi muito bom! O Fórum se reafirma como instância democrática de discussão sobre o tema, reunindo os diversos setores para um só propósito, construir trajetórias para a construção de um país menos violento.

8 de julho de 2013

Novo Material de Estudo - 1000 Questões de Legislação de Trânsito + Gabarito

Publicado pelo Concurseiros do Brasil. Ideal para quem vai prestar concurso para a Polícia Rodoviária Federal! Tem sido cobrado em alguns concursos do Detran e até mesmo da Polícia Militar. Bons estudos!

4 de julho de 2013

Material de Estudo - PMERJ - Direitos Humanos


Olá! Hoje, com a ajuda do Concurseiros do Brasil, conseguimos mais dois E-books que irão ajudar demais aos candidatos do concurso da PMERJ. Considere participar de nosso grupo de estudos da PMERJ que já conta com 22 materiais adicionados à pasta. Para isso, clique nos links abaixo.




Top 10 - Concursos Públicos